voltar

Lisnave - Obra 1780


Impermeabilizção das juntas da eclusa do hydrolift


Intervenção 

Com uma localização geográfica privilegiada e clima favorável, os estaleiros navais da Lisnave, edificados no estuário do rio Sado nos anos 70 do século XX, constituem uma importante infraestrutura do país, que recebe clientes de todo o mundo. A sua constante modernização e manutenção justificam as intervenções que a infraestrutura tem sido objeto ao longo do tempo. Nesta empreitada, procedeu-se à impermeabilização das juntas da eclusa do hydrolift que apresentavam anomalias. O hydrolift da Lisnave, extraordinária realização de engenharia, tem como função colocar a seco navios para operações de manutenção. A sua estrutura, semi-enterrada, é constituída por paredes e lajes de betão armado. A eclusa, com 320 metros de comprimento, foi edificada por troços com juntas de dilatação dotadas de perfis water-stop. Devido a problemas de assentamentos das fundações, ocorreu o rompimento das juntas water-stop. No sentido de repor as condições de estanquicidade das juntas de dilatação com anomalias, foram instalados os sistemas de impermeabilização especificados: sistema Jeene, nas juntas emersas com a eclusa vazia, e sistema Carpi, nas juntas com troços permanentemente submersos. O principal condicionamento da empreitada deveu-se à exigência de que a instalação dos sistemas tinha de decorrer com interferência mínima no normal funcionamento do hydrolift. Com efeito, a operacionalidade da eclusa é indispensável para permitir a entrada e saída dos navios das três plataformas de reparação naval. Outro aspeto relevante desta obra correspondeu à execução dos trabalhos submersos.
  • Vista geral da Obra

  • Detalhe da Obra